8 de set de 2009

MODALIDADES DE CIRURGIAS DE REDUÇÃO DO ESTÔMAGO

Quais os tipos de cirurgia?



As cirurgias levam em conta 2 princípios básicos:
•Restringir o volume de alimento, reduzindo o tamanho do estômago.
•Diminuir a capacidade do intestino absorver o alimento já ingerido, reduzindo a extensão do intestino.

Desta forma realizamos 3 tipos de cirurgia:


1-Cirurgia restritiva
A chamada banda laparoscópica que é a colocação de um anel inflável e regulável de silicone ao redor da parte inicial do estômago, diminuindo sua capacidade (causa restrição gástrica).



Nesta cirurgia não ocorre “grampeamento do estômago ou redução do intestino”, apenas a colocação de um anel de restrição, inflável e regulável. É portanto a cirurgia mais rápida, mais simples e mais facilmente reversível.
No entanto algumas considerações são importantes: a cirurgia de Banda gástrica é a que possui menor reservatório gástrico (20-25 ml) e o anel mais estreito, portanto é o procedimento que necessita maior rigor no controle do volume ingerido.
Neste procedimento não há redução do intestino, portanto a absorção é normal e por isso necessitamos controle mais rigoroso da ingesta de doces e carboidratos, que em pequenos volumes trazem muitas calorias.
Desta forma este é o procedimento que necessita de maior controle alimentar após operar, tanto no volume como no conteúdo calórico ingerido, sendo a cirurgia que tradicionalmente causa mais vômitos e leva a emagrecimento menor (50-60% do excesso de peso).
Em relação ao anel, este está sujeito a deslocamentos para cima e para baixo ou migrações para dentro do estômago, estas complicações podem ocorrer em até 15% dos casos, ocasionando em 9% dos pacientes reoperações ao longo dos anos para reposicionamento, troca da Banda, ou conversão em outra cirurgia. É portanto o procedimento que apresenta a maior quantidade de complicações, apesar de com menor gravidade.
Resumindo, a cirurgia de Banda apesar de menos agressiva, mais reversível e regulável, emagrece cerca de 30% menos, necessita de controles mais freqüentes, sendo fundamental que o paciente seja bem selecionado e se adapte a comer poucos volumes e pouco doce, caso contrário, terá vômitos freqüentes ou emagrecimento insuficiente e terá que refazer ou desfazer sua cirurgia.


2-Cirurgia disabsortiva
Reduzem substancialmente a extensão do intestino funcionalmente ativo, diminuindo drásticamente sua capacidade de absorção. O estômago apesar de parcialmente ressecado não causa restrição (ex: técnica de Scopinaro e Duodenal Switch).


Neste procedimento apesar de retirarmos uma parte do estômago, este continua grande e não causa restrição ao volume ingerido. O paciente pode comer igual ou mais do que comia antes, inclusive alimentos calóricos. E como emagrecemos?
Nesta cirurgia ocorre redução radical do intestino, ou seja a comida só terá 50 cm de intestino para absorver. Não interessa o que comemos e o volume, a comida “passa reto” e não é absorvida adequadamente, e assim emagrecemos sem parar de comer.
No entanto a comida mal digerida tem alguns inconvenientes: causa mais diarréia (estes pacientes passam a evacuar 3-5 vezes por dia), flatulência com odor fétido, perda de vitaminas que necessitam de reposição mais cuidadosa.
Desta forma na cirurgia somente disabsortiva verificamos que apesar de não termos o inconveniente da sensação de restrição gástrica, causamos maior diarréia e flatulência além de perda acentuada de nutrientes e vitaminas devido ao encurtamento drástico do intestino.
Este paciente necessita de acompanhamento médico rigoroso e pode ter complicações nutricionais mais intensas, no entanto é um bom procedimento para pacientes que possuem compulsão acentuada para comer e não vão conseguir parar após a cirurgia.

3-Cirurgia mista (restritiva e disabsortiva)
Também chamada de “bypass” que associam a redução do reservatório gástrico, cortando-o, a diminuição menos acentuada da capacidade do intestino absorver todo o alimento, causam restrição gástrica + má absorção intestinal (ex: técnicas de Capella, Fobi e Wittgrove).

Estas cirurgias procuram o meio termo entre os procedimentos anteriores.
É a cirurgia que alguns chamam de “grampear o estômago” e no Brasil é a técnica mais utilizada e conhecida como cirurgia de Capella.
O reservatório gástrico fica em torno de 50 ml, mais que o dobro da Banda, e o anel é mais largo, sendo assim o paciente vomita menos.
Neste procedimento o encurtamento do intestino é bem menos radical, causando redução da absorção porém diminuindo a incidência de flatulência, diarréia e carência de nutrientes.
Desta forma o paciente tem a sensação de saciedade precoce, como na Banda, aliada a redução da absorção intestinal.
Não é como na cirurgia disabsortiva na qual o paciente pode comer de tudo. Neste procedimento o paciente precisa colaborar, reduzindo o volume das alimentações e principalmente reduzindo a quantidade de carboidratos e as “beliscadas” durante o dia, porém o nível de exigência é menos rigoroso que no caso da Banda e o emagrecimento é superior (80-90% do excesso de peso).
Na Europa diversos cirurgiões utilizam os 3 métodos e demonstram resultados comparáveis entre a Banda e as outras, com mais simplicidade e menor risco para a primeira.
No entanto os estudos nos EUA não conseguiram obter os mesmos resultados com a Banda, os pacientes perderam menos peso, vários precisaram ser reoperados (10%) e retirar ou reposicionar o anel por alguma complicação.
Permanece nos EUA a gastroplastia com “bypass”, cirurgia mista, como a cirurgia mais utilizada na obesidade mórbida.
No Brasil têm-se utilizado todas as 3 técnicas, individualizando o tratamento com o perfil do paciente, porém o procedimento mais freqüente são também as cirurgias do tipo mista (Capella), seguindo a tendência americana.

Cirurgia por videolaparoscopia
Todas as cirurgias de obesidade podem ser realizadas por 2 vias de acesso:
A) Acesso convencional, chamada “cirurgia com corte”.
B) Acesso videolaparoscópico, utilizando uma microcâmera operamos sem o corte convencional, apenas 6 cortes de cerca de 1 cm, o que possibilita recuperação mais rápida, retorno ao trabalho precoce e resultado estético melhor além de redução da incidência de hérnias.




O resultado em relação ao emagrecimento são semelhantes, independentemente da via de acesso. A videolaparoscopia tem as vantagens já mencionadas, no entanto necessita de aparato técnico superior, equipe mais qualificada, materiais cirúrgicos mais sofisticados, o que acarreta elevação dos custos cirúrgicos diretos.
Por outro lado custos indiretos são reduzidos, redução de curativos e cintas abdominais, menor inatividade e redução do prejuízo profissional, menor desgaste afetivo e auto estima por cicatrizes, redução de cirurgias plásticas e melhora de seus resultados, redução de hérnias (10% na cirurgia aberta) e reintervenções para corrigi-las.

Conheça o trato gastrointestinal



1 - Esôfago
2 - Abdômen
3 - Estômago
4 - Piloro
5 - Duodeno
6 - Jejuno
7 - Íleo
8 - Intestino grosso














 


FONTE:


http://www.doutorsalem.com.br/cirurgia.htm
Dr. Marcelo Salem - Especialista na Cirurgia da Obesidade
Mestre e Doutor pela Faculdade de Medicina da USP
Rua Dr. Alceu de Campos Rodrigues 46, conj 21, 22 e 23
Vila Nova Conceição - Cep 04544-000 São Paulo - SP - Brasil
Tel: (11) 3849-0800

7 comentários:

  1. Dá um medão ver os desenhos...
    Mas... é isso aí...
    Fiz a by pass mista e aberta.
    Estou super feliz!!!!
    Beijinhos
    Fabíola

    ResponderExcluir
  2. olá, lindona...passei para te dizer oi...
    vc está bem??? se cuida.
    beijão.

    ResponderExcluir
  3. Querida, sou estudante de psicologia e tenho um trabalho na faculdade de como as pessoas que se submeteram a cirurgia se sentem antes da cirurgia... Vc poderia me ajudar e preencher um questionário? Sua identidade será preservada! Caso sim, favor responder no meu e-mail:
    cronidia@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. Elane Cristina Navarro27 de outubro de 2009 10:53

    Também decidi ser feliz amiga! Provavelmente farei a cirurgia em Abril de 2010. Quantos kilos já se foram? Foi tudo bem?

    Beijusss,Laine

    navarro.elaine@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. Olá irei realizar a cirurgia de redução de est^0mago a semana que vem, e gostaria de saber e o plano de saúde tem obrigação depois de cobrir a plástica?
    Se algué, tiver essa informação eu agradeço.

    Andreza.
    orkuté
    @ndrez@ P@p@areli

    ResponderExcluir
  6. vc emagreceu quantos kilos já...
    vc sentiu muita dor...
    tenhu 20 anos gostaria de fazer...mas sinto um certo medo...vc achou realmente recompeçador passar por tudo...
    bjo te mais

    ResponderExcluir
  7. tb estou com medo de fazer, ainda mais agora que tenho que realizar a retirada da vesicula primeiro, depois de qt tempo posso fazer a redução?????

    ResponderExcluir

Oi! Você deseja comentar?
Sinta-se à vontade!